Garapa

Garapa – 2009

Não, garapa não é o caldo de cana que aqui em Sampa tomamos na feira, junto com o pastel, é uma mistura de água aquecida e açúcar que com que as mães alimentam seus filhos em alguns lugares do Brasil, o que o garoto aí ao lado está bebendo e o que o ajuda a enganar a fome.


Este documentário do José Padilha, o mesmo diretor de Tropa de Elite, acompanhou alguns dias de três famílias cearenses, duas do interior, uma da periferia de Fortaleza.  Fome em P&B, close de fome, sequências de fome.
garapa

O José Padilha conta em entrevista à Revista Brasileiros (que também merece uma leitura*) que após uma pré-estreia aqui em São Paulo foi abordado por um senhor transtornado e, nas palavras dele, levou um pito: “Eu não ou obrigado a ver este filme! Ainda bem que não tive que pagar ingresso. Quem é obrigado a ver este filme são os governantes, eu não tenho nada a ver com isso”.

Certo, não tem que assistir ao filme; errado, tem sim a ver com isso. Todos temos, quer queiramos ter e fazer ou não algo; quer não queiramos e nada fazer. O filme ajuda nos ajuda a decidir isso.

* na entrevista José Padilha destaca a existência de milhões de Brasileiros que sequer têm documentos de identificação, portanto não existem, não participam das estatísticas e ficam à margem de qualquer programa social. E muitos se espantam com o raquítico valor dos benefícios do Fome Zero e similares, mas, poxa, faz muita diferença para muita gente, infelizmente.

Aqui em São Paulo, em cartaz no Cine Bombril, e se o fime der lucro ele vai para as famílias documentadas – o que está difícil: é o único cinema com ele em cartaz, custa R$ 4,00, e somamos uns 8 na platéia.

Categories: Cinema, Cotidiano, Sobre a vida
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. Nenhum trackback ainda.