Página Inicial > Cotidiano, Sobre a vida > Delírios febris

Delírios febris

Aos 39° de febre não se dorme, espera-se desmaiar.

Precauções do Tenys Pé Baruel no Futuro do Presente:

PRECAUÇÕES
Manterás fora do alcance de crianças. Não usarás se a pele estiver irritada ou lesionada. Usarás somente nas áreas indicadas. Não aplicarás em calçados. Caso ocorra irritação, suspenderás o uso. Conservarás em lugar seco e fresco.

INFLAMÁVEL
Não pulverizarás perto do fogo. Não perfurarás nem incinerarás. Não exporará a temperaturas superiores a 50 graus C. Protegerás os olhos durante a aplicação. Evitarás a inalação deste produto.

Parece bem mais efetivo, não? Deviam adotar.

Será que há ligação com o fato de eu estar me preparando para ser padrinho de batismo???

Na última noite, esta imediatamente antes da gripe, sonhei que ia a um médico e ele reclamava dos tempos modernos. Ele era o Fernando Pessoa.

Hoje, já irritado com o baquear da gripe, no térreo de um prédio perto do West Plaza, no fuzuê da hora do almoço uma moça  repetia esganiçadamente para os amigos “Go west?”, “Go west?”, “Go west?”, “Go west?”… Oooo, quase que eu mostrei para ela onde eu achava que era o uésti.

38° e 1/2

Suando, remédio fazendo efeito. Há algumas horas minha irmã me orientou a tomar 30 gotas de Novalgina, que eu achava que tinha… troquei por 3 aspirinas. Tá ajudando. “Preciso de verdade e da aspirina.“*

Manchete da Ilustrada de hoje: “Varejão no atacado” Reforma vai, reforma vem, e a Folha continua imbatível nos trocaralhos dos cadilhos.

Termômetro analógico, de mercúrio: 1/4 do preço de um eletrônico e não faz barulho. Adoro objetos silenciosos.

Made in China. Claro. O que não é?

Quando era pivete, adorava quando um termômetro destes quebrava: a gente ficava brincando com o mercúrio na mão. Hoje se isso acontece os pais vão presos, com direito a reportagem no… no…  no… Aqui Agora ainda existe? Bem, num telejornal (!) equivalente.

Sob os critérios de hoje, as crianças nascidas antes da década de 90 não passariam dos 10 anos.

38°!

Chega.

* Álvaro de Campos

Tenho uma grande constipação,
E toda a gente sabe como as grandes constipações
Alteram todo o sistema do universo,
Zangam-nos contra a vida,
E fazem espirrar até à metafísica.
Tenho o dia perdido cheio de me assoar.
Dói-me a cabeça indistintamente.
Triste condição para um poeta menor!
Hoje sou verdadeiramente um poeta menor.
O que fui outrora foi um desejo; partiu-se.

Adeus para sempre, rainha das fadas!
As tuas asas eram de sol, e eu cá vou andando.
Não estarei bem se não me deitar na cama.
Nunca estive bem senão deitando-me no universo.

Excusez un peu… Que grande constipação física!
Preciso de verdade e da aspirina.

Categories: Cotidiano, Sobre a vida
  1. rafael
    28, maio, 2010 em 10:05 | #1

    NOSSA!!!!
    realmente delirou…

  2. Maisa
    16, junho, 2010 em 15:38 | #2

    Du, quanto tempo né. Agora que sou mamãe ficou ainda mais difícil falar com os amigos mas nunca menos vontade. Espero que você tenha se recuperado bem do “dodói” e, sou fãnzona do seu blog, ele me leva para o universo profundo de Sampa. Bj

  1. Nenhum trackback ainda.