Insônia

Durante a epidemia de insônia que assolou Macondo em um dos cem anos, se comemorou o privilégio de não dormir. Até que, depois de compatilharem acordados os  seus sonhos, os cidadãos começaram a perder suas memórias e lembranças a ponto da cigana que previa o futuro ser paga para preencher o passado.

E eu aqui acordado, tentando lembrar onde li que dormir pouco envelhece a gente mais depressa – o que constato percebendo que esse sono que perco não vai ser devolvido por quaisquer outras horas de sono fora de hora – acho que entendo um pouco mais o Gabo, pois às vezes parece-me que as memórias se gastam de tanto lembrarmos delas.

Categories: Cotidiano, Sobre a vida
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. Nenhum trackback ainda.