Arquivo

Arquivo de 7, maio, 2009

Lisbon Revisited

7, maio, 2009 1 comentário

Ora se não é ironia… assino um serviço gratuito chamado ‘Uma palavra por dia’, que me envia quase diariamente, por email, a história de uma palavra da língua portuguesa.

Hoje, justamente no dia que voltei à Lisboa, qual foi a palavra??? “Pessoa”!!!
Reproduzo abaixo:
A origem mais remota da palavra ‘pessoa’ é o grego ‘prósopon’ (aspecto) de onde passou ao etrusco ‘phersu’, com o significado de ‘aí’. A partir dessa palavra, os latinos denominaram ‘persona’ as máscaras usadas no teatro pelos atores, e também chamaram assim aos próprios personagens teatrais representados.

‘Pessoa’ é parente distante de palavras de origem grega originadas em ‘prósopon’ e seus derivados, tais como ‘prosopografia’ e ‘prosopopéia’.

O vocábulo latino – ‘persona’- conservou-se no português ‘pessoa,’, no galego ‘persoa’, no italiano e no espanhol ‘persona’, no inglês ‘person’ e também, ainda que com outro significado, no francês ‘personne’ (ninguém), entre outras línguas.

Um memorável filme de Ingmar Bergman, com Liv Ullman e Bibi Anderson, considerada a mais ousada e experimental desse diretor sueco, teve o título ‘Persona’, em referência à acepção latina do termo, que alude a máscaras e personagens.

Fernando Pessoa, ou melhor, Álvaro de Campos, fez duas poesias com o título “Lisbon Revisited”:

Lisbon Revisited – 1923

Lisbon Revisited – 1926

Os links remetem ao Jornal da Poesia, que recomendo… mas a de 1923 precisa estar aqui:

Lisbon Revisited (1923)

NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.

Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.

Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!

Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —
Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-na!

Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

Não me macem, por amor de Deus!

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?

Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço.  Quero ser sozinho.
Já disse que sou sozinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

Ó céu azul — o mesmo da minha infância —
Eterna verdade vazia e perfeita!
Ó macio Tejo ancestral e mudo,
Pequena verdade onde o céu se reflete!
Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz!  Não tardo, que eu nunca tardo…
E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!

Categories: Lisboa, Literatura, Turismo